Uma questão de formato

Apesar de aparecer em periódicos impressos, essa não é a mídia mais usual – e de maior sucesso – das reportagens em quadrinhos. Segundo a jornalista Miriam Paço, o livro-reportagem tende a ter formato mais adequado que jornais e revistas para esse tipo de publicação. “A reportagem em quadrinhos exige, em geral, não apenas mais tempo para ser produzida, mas também um maior aprofundamento. Pense no New Journalism e na utilização do livro-reportagem por autores como Truman Capote e Tom Wolfe. É a mesma lógica, a diferença está no fato de que os HQ-repórteres preferiram os quadrinhos em vez do texto puro”, exemplifica.

Mas nada impede que o gênero apareça nos tradicionais gibis. Joe Sacco, antes de lançar os premiados livros Palestina: Uma Nação Ocupada e Palestina: na Faixa de Gaza, publicou uma série de nove revistas em quadrinhos com o material. A internet também é uma aliada do JQ, além de ser a plataforma mais expressiva e agregadora.

Anúncios